Resolvi matar a Saudade de você

Existem músicas que fazem o nosso coração parar.
Músicas que nos transportam.
Músicas que nos levam direto a um primeiro encontro, a um adeus…
Existem músicas que nos teletransportam para os braços de alguém.
Alguém que não existe mais.
Alguém que nos fez sorrir e chorar.
Alguém que hoje é lembrança.
E quando ao som dos primeiros acordes seu coração vai re-descobrindo aquelas notas e te conduz, sem cerimônia, para uma dança com o passado… Você volta no tempo…
“Ela estava sorrindo ao meu lado. E em uma segunda-feira, perdida no espaço tempo, a tinha mais uma vez comigo, nos momentos cotidianos. Desviei um pouco a atenção do celta à minha frente para vê-la de relance, sentada no banco do passageiro, cantando sem parar alguma canção que tocava no rádio. Tirei a mão direita do volante e toquei-lhe a perna. Ela, sem parar de cantar, olhou para mim, sorriu, colocou uma mão sobre a minha e disse: O dia está lindo hoje.”.
Em uma segunda-feira de trânsito habitual, o dia estava mesmo lindo.
Em uma segunda-feira de trânsito veloz, quase um ano depois, com todos os semáforos à frente em verde, no carro, o rádio toca a música daquele dia, e eu, como em um sonho, a tenho em seus braços novamente.
As músicas nos falam ao coração.
As músicas nos embalam em momentos de dor e solidão.
As músicas terminam e começam namoros.
As músicas nos exemplificam sentimentos.
E hoje, existem músicas e cantores que me lembram pessoas.
Vanessa da Mata me lembra um primeiro amor adolescente – confuso, desordeiro e curioso.
Cássia Eller me lembra uma declaração de amor com cartaz e tudo.
Tiê me lembra um momento apaixonado em que fiz o meu primeiro pedido de namoro.
Snow Patrol me descreveu por meses em um namoro.
E hoje, Freshlyground me faz dançar em um ritmo novo. Me faz viver um novo amor.
A vida é feita de momentos e esses momentos são sempre embalados por músicas.
Um amor precisa de uma trilha sonora, assim como um filme precisa de um roteiro.
A saudade precisa de um som para despertar e não é ruim lembrar de um momento que já passou.
Não é querer voltar a viver um antigo amor, mas sim lembrar de algo que fez o estômago revirar e os olhos sorrirem.
Hoje coloquei para tocar James Blunt.
Quero te encontrar de novo. Quero voltar a outubro de 2012. Quero ver seu sorriso. Quero sentir seu cheiro.
Em uma música te reencontro como presente e não passado.
Te faço sorrir e te conto coisas do meu dia. Te vejo feliz pela primeira vez…
“Goodbye my lover. Goodbye my friend. You have been the one. You have been the one for me.” – James Blunt

Desses que tem como tatuagens amor e romance. E talvez, depois disso não seja preciso falar mais nada... Mas saiba que boa parte de mim estará aqui em dilemas, palavras e questionamentos sobre os relacionamentos modernos.

Deixe um comentário

Subindo no Telhado - Este blog pertence à Jeniffer Santos e está publicado sob uma Licença Creative Commons.
  • RSS
  • Facebook
  • Google+
  • YouTube