A gente é feito pra caber no mar

O velocímetro marcava 120.  O pé esquerdo descansava próximo ao freio, pronto para qualquer eventualidade. Olhos fixos mantinham-se na estrada. No som, o volume marcava 30. Alto e em bom som, Marcelo Jeneci, pronunciou a frase que mudaria sua vida naquele instante: “A gente é feito pra acabar.”.

Como se tivesse entrado em uma dimensão paralela, tudo começou a fazer sentido. O mundo não era mais assim tão complicado. As pessoas que haviam ido embora não doíam mais. A saudade não era mais ferida aberta. No estômago lhe surgiu uma sensação de alívio… Era a certeza de que nada é para sempre.

 

“A gente é feito pra acabar. A gente é feito pra dizer que sim. A gente é feito pra caber no mar e isso nunca vai ter fim.”

Os amores acabam.

Viagens chegam ao fim.

Pessoas dão adeus sem aviso prévio.

Brigadeiro nunca é suficiente.

Nas telas de cinema sempre existe um ‘The End’.

Mas o mar não tem fim… E a gente é feito para caber nesse eterno ir e vir.

 

Muitos acham essa música triste e essa certeza de ‘acabou’ mais deprimente ainda.

Mas não é.

É a única certeza que nós temos da vida – Um dia isso tudo vai acabar.

E sabendo disso – Por que não parar de reclamar e viver?

Experimentar coisas novas. Amar sem pensar no fim. Chorar e sorrir. Ser clichê e ser feliz.

Lutar por objetivos que estão trancados na gaveta para que sonhos virem realidade.

Sair do comodismo e fazer a diferença.

 

 “A gente é feito pra dizer que sim”

Dizer sim para as aventuras, para o seu amor que está em sua frente no altar, para o diferente, para o romance de verão, para o acaso…

“A gente é feito pra acabar”

Em mim é uma certeza de que nada é infinito e é preciso viver muito bem cada dia.

E com essa certeza, naquela estrada, eu deixei todo o peso dos amores, projetos e sonhos frustrados. Deixei o peso dos problemas naquele asfalto; e pisando fundo no acelerador, naquele momento, tinha em mim uma vontade absurda de amar as pessoas que eu ainda não conhecia.

 

“Quem me diz da estrada que não cabe onde termina?

Quantas são as dores e alegrias de uma vida, jogadas na explosão de tantas vidas, vezes tudo que não cabe no querer?”

email

Desses que tem como tatuagens amor e romance. E talvez, depois disso não seja preciso falar mais nada... Mas saiba que boa parte de mim estará aqui em dilemas, palavras e questionamentos sobre os relacionamentos modernos.

Deixe um comentário

Subindo no Telhado - Este blog pertence à Jeniffer Santos e está publicado sob uma Licença Creative Commons.